POKÉMON LET’S GO! foi feito apenas para novatos?

Chegamos em 2018, a Nintendo e a Game Freak colocam nas lojas a mais nova empreitada da franquia: Pokémon Let’s Go, Pikachu! e Pokémon Let’s Go, Eevee!

A febre dos monstrinhos de bolso surgiu no meio da década de 90 com games, uma série para a TV, cards e muitas outras coisas que cativaram pessoas das mais variadas idades. Inicialmente, seu principal público era feito de crianças que decoravam nomes dos Pokémon, sabiam seus tipos e tinham seus favoritos (com Charizard dominando as listas). A tal da ‘febre’ jamais passou como muitos críticos da época afirmavam, porém ela foi dançando conforme o swords dance, evoluindo com seu público e angariando novos e apaixonados fãs.

Chegamos em 2018, a Nintendo e a Game Freak colocam nas lojas a mais nova empreitada da franquia: Pokémon Let’s Go, Pikachu! e Pokémon Let’s Go, Eevee! Dois títulos exclusivos para o Switch que recontam a história da famosa primeira série. Suas inspirações são inteiramente ligadas à versão Yellow de Game Boy onde o seu monstrinho favorito pode segui-lo durante toda a jornada, criando um forte laço e dando aquela helping hand nos momentos mais oportunos.

Seu grande foco é ligá-lo ao título para dispositivos móveis Pokémon GO desenvolvido pela empresa Niantic. A forma como capturamos as criaturas, por exemplo, é feita sem o uso das memoráveis batalhas, mas apenas com um jogar de pokébola. Além disso, há a opção de transferir monstrinhos do jogo de celular para o console híbrido. Por causa de tudo isso, muitos chegaram a criticar a possível facilidade do game e que, mesmo de forma indireta, a Nintendo tenha criado o game para os jogadores casuais e/ou novos treinadores Pokémon.

Porém quem está consumindo empolgadamente Pokémon Let’s Go! são os próprios jogadores veteranos.

Ontem ao ligar meu Nintendo Switch, notei que vários dos amigos de minha lista estavam online. Como sou curioso, logo fui ver o que estavam jogando. Cada um deles, sem exceção, estava passeando por Kanto no novo jogo da série. Porém o ponto que mais chamou minha atenção foi que todos são velhacos, jogadores de longa data de Pikachu e cia., cada um mais empolgado do que o outro mostrando screenshots e vídeos nas redes sociais.

Flávio Ferreira, 29, contador e podcaster comentou:

Eu tenho me divertido muito vendo o continente Kanto reformulado e as pequenas mudanças na história. No primeiro momento, parecia ser exatamente o mesmo jogo de 20 anos atrás, mas agora percebi que é um jogo totalmente novo e por isso que eu não estou conseguindo parar mais de jogar.

Ele também afirma que não é só saudosismo:

A nostalgia é realmente importante, pois motiva a continuar, mas as mecânicas renovadas, que eu achei que não seriam legais, estão sendo muito melhores do que imaginei.

É claro que há pessoas se aventurando em sua primeira jornada Pokémon, mas tenho a sensação de que a maioria vêm de uma longa história com a série, possivelmente ainda tendo o Charizard como um dos pilares de sua paixão. Isso deve-se à ligação diferenciada que foi adquirida lá no começo ou em algum momento dos últimos anos, trazendo não apenas a sensação de nostalgia, mas também uma busca quase infinita em alcançar objetivos e ‘vencer na vida’. Mesmo parecendo piegas, Pokémon dá sim uma vontade de superar obstáculos, de evoluir ao lado de seu amigo, de combater adversidades.

Nas palavras de Igor Andrade, 33, jornalista:

Mesmo começando tardiamente na série (por volta dos anos 2000), o que realmente me pegou não foram os cálculos de IVs e nem os de EV, mas sim a sensação de treinar meus Pokémon e subir com eles até a vitória na Elite. Com Pokémon Let’s Go!, esse foco mais minimalista agrada a qualquer pessoa que quer se focar na aventura em si, para aquele que busca a complexidade da série principal, pode ser que esse não seja o título ideal, mas há muitos que querem essa simplicidade para usufruir da sensação de explorar um mundo aos dez anos de idade.

Ele se empolga em acrescentar:

O que o game mais faz certo é quebrar essa barreira de jogador hardcore e casual. Aqui, todos podem se divertir. É bacana ver uma criança capturando um Pokémon sem se preocupar com a escolha de ataques e sair dizendo que conseguiu, que foi fácil. Com certeza isso é algo que trouxe de volta muitos antigos apaixonados pela série.

No fim das contas, fica óbvio notar que o maior motivo para a adesão tão grande de veteranos da série aos novos jogos é a paixão infinita à franquia. Muitos podem ter dado um tempo nos últimos anos por causa do nível de complexidade, outros podem ter voltado graças à Pokémon GO nos celulares, enquanto que há aqueles jamais pararam de treinar seus monstrinhos e enfrentar os líderes de ginásio. Seja lá qual desses você for, o que importa é viver seu carinho à Pikachu, Eevee e cia. como sempre o fez: dando um sorriso cada vez que conseguir um novo amigo.

Revisão: Angelo Mota