REVIEW | NEW SUPER LUCKY’S TALE é um plataforma 3D clássico com ares modernos

Tudo em New Super Lucky’s Tale é muito colorido, e o jogo sabe como trazer o melhor da nostalgia dos primeiros plataformas 3D para o cenário atual.

Lançado para o Xbox One em novembro de 2017, Super Lucky’s Tale nos leva na aventura da adorável raposinha Lucky, em busca de sua família, enquanto enfrenta perigos de um mundo desconhecido. E no final de 2019 o jogo foi portado para o Nintendo Switch, em uma versão definitiva, intitulada New Super Lucky’s Tale, afinal de contas, se está na Nintendo, o nome “New” acaba se fazendo necessário. New 3DS… New Super Mario… New Horizons…

Lucky é um personagem simplesmente adorável, e acompanhamos sua família e seus amigos lutando contra o vilão Jinx, que quer dominar o Book of Ages e… não, espera… na verdade ele quer dominar o Livro das Eras, porque sim, New Super Lucky’s Tale está totalmente legendado em PT-BR.

Lucky é sugado para dentro do livro e precisa recuperar suas páginas para poder completá-lo e reencontrar todos os seus amigos e familiares. E durante os mundos e fases do jogo, vamos conhecendo personagens muito divertidos e diversificados, porque o humor do jogo é pontuado nos diálogos, criando alguns momentos de certo desconforto com o adorável robô Greg, que é um amigo, digamos, muito fiel a Lucky.

New Super Lucky’s Tale funciona como uma versão definitiva do jogo original, com algumas melhorias e conteúdo extra. Na versão New [que agora também será lançada nesse formato no Xbox One e PS4] o jogo possui movimento livre de câmera, melhorando consideravelmente o gameplay, além de ter uma alteração estrutural na movimentação do personagem. No jogo original, Lucky anda nas quatro patas, no New ele anda em pé, apenas com as patas de trás. O jogo vem com todas as DLCs que foram lançadas anteriormente e inclui cenários totalmente novos que não estavam no jogo lançado em 2017.

VIDA, CORES E NOSTALGIA

Tudo em New Super Lucky’s Tale é muito colorido, e o jogo sabe como trazer o melhor da nostalgia dos primeiros plataformas 3D para o cenário atual. Alguns puzzles simples de lógica para conseguir itens, alguns cenários desnecessariamente complicados para mostrar complexidade de game design, personagens pontualmente espalhados pela fase que muitas vezes não são aliados ou inimigos, estão lá apenas para dar mais vida aos ambientes.

Tudo pontuado com um gameplay fluído, controles responsivos e uma diversidade de mecânicas não muito grandes, mas no tamanho correto do jogo. E por falar em tamanho, New Lucky pode não ser o maior dos jogos, inclusive ele pode parecer um jogo bem curto, porque ele é, mas talvez ele tenha o tamanho exato para uma primeira aventura, sem parecer que está indo além do que precisa, sem se repetir muito, sabendo exatamente quando e onde deve parar para deixar os jogadores esperando por mais em uma possível continuação.

E por mais que não seja uma aventura longa, existem colecionáveis em todas as fases que podem aumentar bastante o fator replay para quem gosta de estar sempre com 100%.

Até as músicas do jogo, muito bem compostas e sabendo como pontuar cada fase, cada mundo, cada pulo, tem um tom que remete aos plataformas 3D mais clássicos, da época do Nintendo 64. A trilha sonora é envolvente e passa o tom da aventura, coexistindo em completa harmonia com os tons vivos dos cenários e do personagem principal.

New Super Lucky’s Tale é um jogo que vai te envolver com o carisma de seus personagens, te cativar com sua história bem pontuada, te fazer vibrar com sua trilha sonora alegre, te prender pelo curto tempo de seu gameplay, e nunca deixar a sensação de quem fez pouco, mas sempre o suficiente.

Esta análise foi feita com código gentilmente cedido pela Playful.