REVIEW | OLIJA mistura tradições asiáticas com tradições de jogos em uma receita que deu certo

Chega ao Nintendo Switch [PS4 e PC] Olija, um jogo com uma estética diferente dos que estamos acostumados, e que tem uma história linda para contar.

Pelas mãos talentosas da equipe da Skeleton Crew e com o toque mágico da firma Devolver [que tudo o que toca, vira ouro puro], chega ao Nintendo Switch [PS4 e PC] Olija, um jogo com uma estética diferente dos que estamos acostumados, e que tem uma história linda para contar.

Olija tem sua estrutura baseada nas grandes navegações, com ambientações que remetem a um estilo asiático… tudo isso em gráficos da época do Atari. Quem jogou Pitfall e até o famigerado E.T. vai se sentir totalmente em casa com o estilo do jogo. Pixels grandes e proeminentes nas construções dos personagens e cenários que, em sua rusticidade, conseguem construir um ambiente acolhedor e passar sua mensagem de uma forma criativa e diferente.


NAVEGANDO COM E SEM DESTINO

A História do jogo gira em torno do marinheiro faraday que, durante uma tempestade, perde seu navio e sua tripulação. Resgatado por um barqueiro em uma terra estranha, ele precisa explorar aquele mundo desconhecido, e desvendar os mistérios de Olija, uma mulher que é adorada por todos que ali vivem.

Após o acidente, você é levado para a pequena ilha de Marvalho, e sim, o jogo está totalmente em Português do Brasil.

Este ambiente acolhedor funciona como um hub world. Um lugar para descansar após uma longa jornada, recuperar energias, criar vínculos com os moradores. E é daí que você vai partir para suas aventuras, em pequenas [outras nem tanto] outras ilhas que o barqueiro irá te levar, desde que você consiga os mapas dos locais para eles.

Nessas ilhas adjacentes é onde a aventura vai se desenrolar. Cada uma delas possui peculiaridades e estilos únicos, e devem ser exploradas do começo ao fim para que você encontre objetos que possam te levar adiante na história, como chaves e outras partes do mapa daquele mundo, permitindo que o barqueiro te leve cada vez mais longe.

Todo o seu progresso pelas diversas ilhas do jogo é feito sem a ajuda de um mapa de cada local, mas por mais que alguns caminhos pareçam bifurcados e labirínticos, o jogo tem uma linearidade lógica que vai sempre te empurrar para frente, rumo ao seu destino, assim como acontece em Carrion. Portanto, é importante não se preocupar com algumas escolhas de caminhos que o jogo te obriga a fazer, uma vez que todos eles vão te levar ao mesmo lugar.


NAVEGUE COM O RADINHO LIGADO

O jogo sabe balancear muito bem a fluidez de seu gameplay, e da movimentação de seus personagens, com o estilo quadradão e pixelado escolhido. Assim você se sente emulando um jogo antigo com controles atualizados, que funcionam de forma funcional, equilibrando a balança para aqueles que não costumam olhar para este estilo com bons olhos.

E além disso, o jogador ainda é conduzido pelos diversos ambientes do game com uma trilha sonora que sabe muito bem como agregar valor e vida a cada um dos cenários. As melodias inspiradas em músicas japonesas são parte fundamental da construção de Olija.

E tudo isso é coroado com uma direção artística sensível, que proporciona momentos únicos aos jogadores. Muitas vezes as batalhas e exploração frenéticas são substituídas por momentos que funcionam como pequenas cutscenes, em que a movimentação do seu personagem é limitada ou interrompida, para que algum personagem importante possa falar, adicionando assim um pouco mais de história à lore do jogo, ou para que alguma cena se desenvolva sem uma única linha de diálogo, e essas são as mais impressionantes, porque elas também contam muito sobre sua aventura.

Muitas vezes o jogo força a perspectiva para que a câmera se afaste ou se aproxime do personagem, e você então tem um novo olhar para aquele ambiente que já te parecia familiar. E estes momentos, além de muito bonitos, são importantes para o desenrolar da história.


CUIDADO PARA NÃO ENGASGAR

Apesar do estilo retrô, que parece bem simples, o jogo aparenta fazer um pouco de esforço para rodar no Nintendo Switch, mas isso se reflete rapidamente apenas na tela de abertura, e durante o decorrer do gameplay cheguei a presenciar travamento por duas vezes enquanto acontecia uma tela de loading de mudança de cenário. Em uma delas, ele chegou a desligar sozinho e me mandou de volta ao menu do console. Mas foram casos bem isolados. Em sua maior parte, o gameplay é fluído, mais do que se espera para os pixels quadradões, e isso conta a favor durante as batalhas, principalmente quando existem muitos inimigos na tela, uma situação que acontece com bastante frequência.


DESCUBRA OS SEGREDOS DE OLIJA

Olija é um passeio muito prazeroso, divertido e desafiador pela cultura asiática, pela cultura japonesa. Um passeio visual, um passeio musical, um jogo que vai te surpreender na mesma intensidade que vai colocar suas habilidades à prova. Mais uma vez a Devolver soube abraçar um projeto que simplesmente precisava ver a luz do dia, e felizmente veio para enriquecer ainda mais a biblioteca do Nintendo Switch.


Esta análise foi feita com cópia do jogo gentilmente cedida pela Devolver Digital.