REVIEW | WHAT THE GOLF? é risadas e desafio

Eu pude finalmente entender que o título é golf, mas ao mesmo tempo não é golf. E isso é sensacional!

Eu não gosto de assistir golf. Acho um esporte maçante de assistir, pouco interessante e nada empolgante. Porém gosto de games de golf. É divertido tentar acertar os buracos com poucas tacadas, ainda mais se o título tiver nuances curiosas como os jogos da série Mario, tentar desviar das Piranha Plants e chegar mais perto do buraco é algo desafiador ao mesmo tempo que é engraçado.

Quando vi em um anúncio que What The Golf? da desenvolvedora Triband era feito para aqueles que “odeiam golf”, logo me vi coçando a cabeça para o que eles poderiam oferecer. Sendo assim, durante pouco menos de dez horas de jogatina para completar a campanha, eu pude finalmente entender que o título é golf, mas ao mesmo tempo não é golf. E isso é sensacional!

NÃO É GOLF

Vamos falar do elefante na sala: o game que temos em mãos é muito mais um puzzle do que um jogo do esporte popularizado por Tiger Woods. A jogatina é baseada em física, ou seja, cada “missão” que temos é para resolver algo que vai desde acertar a bolinha na bandeira a derrubar pinos de boliche com uma vaca. Controlamos apenas um único objeto, usamos o direcional analógico para definir uma direção e apertamos o botão A para definir a força do impacto. Tudo muito simples, mas sem deixar momentos de desafio bacaninhas para os jogadores mais exigentes.

Durante as primeiras missões, o jogo realmente se assemelha ao golf, pedindo para levarmos a bolinha no buraco, mas logo tudo é lançado para os ares – literalmente – quando tentamos uma tacada e quem é jogado para a frente é o golfista e não mais a bola de golf. Parece maluco? Pois é. Na primeira vez que isso ocorreu, eu dei uma risada alta, já que não havia visto trailer algum do game. Fui surpreendido e achei o máximo. A melhor forma de explicar isso é simplesmente mostrando:

Há dezenas de puzzles malucos em What The Golf?. O tempo todo eu ficava me perguntando qual seria a próxima insanidade que o título iria me jogar. Houveram vezes que mesmo sabendo que algo fora do padrão iria surgir, eu acabava surpreendido. Em um momento me encontrei em meio a um tiroteio a la Matrix, em outro precisava levar a minha bola de futebol ao gol desviando dos jogadores adversários, tive até que acertar pinos de boliche em planetas pequenos que me lembraram muito Super Mario Galaxy. Impossível não sorrir durante a brincadeira.

É GOLF!

Curiosamente, há idiossincrasias que fazem com que o game realmente seja golf em certos momentos. Após resolver uma missão, são liberados mais dois objetivos para se conseguir uma coroa e ir atrás do famigerado 100%. A primeira pedida é sempre concluir o puzzle em um certo “par”, ou seja, com uma quantidade limitada de tentativas como no esporte oficial. Par 2 quer dizer duas chances e por aí vai. Isso adiciona um desafio que não esperávamos, mas que aumenta a diversão.

Além disso, há menções ao esporte o tempo todo como brincadeiras com termos e objetos clássicos como tacos e bandeiras. A música é relaxante, pois no golf não pode haver muito barulho. Os sons de público (mesmo não enxergando ninguém ali) são afiados com aplausos e o bom e velho “ah” quando erramos. O jogo oferece desafios diários e ranking mundial onde ambos exigem um par definido. É de arregalar os olhos os números dos jogadores ao redor do mundo, algo que não consegui alcançar de jeito nenhum.

Por fim, temos um modo multiplayer extremamente divertido com várias disputas malucas. Basicamente o game pega alguns dos puzzles mais diferentes e os colocam para ver quem consegue terminar mais rápido. O tom de risadas é aumentado ainda mais com essa jogatina, com cada dono de controle sendo surpreendido com a próxima missão. Com certeza um senhor party game.

É DIVERTIDO!

What The Golf? é um game bastante único. Seus gráficos simplistas servem para garantir a total imersão à jogabilidade diferenciada, aos desafios empolgantes, e ao entretenimento instantâneo. Seja jogando solo ou disputando com um amigo, há muitas formas de curtir o título da Triband. Valendo cada minuto de jogatina, fica impossível não indicar essa brincadeira no Nintendo Switch.

Esta análise foi feita com código gentilmente cedido pela Nintendo.